1995, Yokohama - Japão.

Vive e trabalha em São Paulo.

A convergência entre os pressupostos do minimalismo e das práticas da arte processual ganham um novo desdobramento sob a ação construtiva de Niki Nomura. Ao orientar os preceitos destas categorias no sentido de um objeto finalizado que possui também relevância, o artista combina o acaso da busca e uso de materiais de refugo com o primado do cálculo fino e da precisão.

 

Tendo como veículo uma obra que se manifesta ora através do objeto escultórico e instalativo, ora através da pintura e desenho expandido, Niki Nomura exalta os atributos visuais e sensórios de seus materiais eleitos. O significado que um determinado substrato carrega em si mesmo é parte do discurso poético do artista, que compreende também uma dimensão de exercício de controle: não bastam apenas imponência e a graça do material, mas também a maneira como esse material é articulado no espaço pelo artista.

Transparências, texturas, pesos e equilíbrios permeiam os objetos configurados por Niki Nomura, cujas presenças invocam um emprego mais atento dos sentidos. O processo de dar forma e de configurar aquilo que é colocado diante dos olhos são aspectos correlativos entre sua obra e as teorias da gestalt, onde o predomínio da visão e das questões relacionadas ao equilíbrio ótico parecem tomar centralidade. Entretanto, no trabalho do artista outras intenções também se fazem presentes: a alusão à processos de não-equilíbrio e a processos quase estáticos. 

 

A iminência de disjunção de suas composições parece sugerir uma busca pelo estado de entropia - a aspiração por um equilíbrio tanto ideal quanto inatingível de um dado sistema.

Ausências e instabilidades são cruamente expostas ao olhar através dos arranjos metódicos de Niki Nomura. Sua pesquisa lança luz sobre incompletudes e faltas, gerando dúvida e reflexão sobre tudo aquilo que sugere uma aparente ordem. Sua investigação poética, calcada sobretudo na prática como exercício de reflexão, opera como um convite ao exercício pleno da emoção, da percepção e dos sentidos.

- Mariana Coggiola 

Exposições:

2020 | 48º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto | Santo André, Brasil

2020 | Viagem à Aurora de Um Novo Mundo | B_arco Galeria | São Paulo, Brasil

2019 | no dia primeiro, no nono andar | LAMB arts | São Paulo, Brasil

2017 | MISTURA | apArt Gallery | São Paulo, Brasil

2017 | CONFLUENCES | Espace d’art Contemporain Le Grape 27 | Paris, France

2015 | Untitled | Faculdade Belas Artes | São Paulo, Brasil

CONTATO

 

nomura.niki@gmail.com       +55 11 99724-7776

Rua Mourato Coelho, 751 

  • Instagram Basic Black